16 de outubro de 2017

Domingo

O domingo tem sido sobrecarregado com as "coisas próprias de domingo" e com as outras todas que não nos apetece fazer no sábado, porque simplesmente é sábado e temos mais que fazer! :)

De manhã, na hora da catequese dos mais velhos aproveito e vou ao supermercado com o Sebastião e faz as vezes do parque infantil. 
Ele gosta. 
Nem sempre corre como eu sonhei; "arruma" as prateleiras e vai provando os frutos secos avulso, por muito que lhe diga "não"! Também já sabe, que muitas vezes se safa com um chupa-chupa! É a minha moeda de troca para se portar como um anjinho, e tantas vezes me deixar embaraçada...

Quando dá seguimos à missa, e faço sempre por ter um almoço de domingo quick, quiet and happy! - (Intraduzível...) - pré confeccionado, preferencialmente de véspera e até agora não me tenho dado mal nos timings. É chegar a casa, pôr a mesa e desfrutar. 

Ontem almoçamos "fora", douradinhos e calamares (no forno!), arroz de cenoura e salada rica, foi o possível de arranjar e não é difícil que devorem sempre tudo!

Este verão teima em não ter fim e embora rezemos à chuva, vamos aproveitar estes dias até não dar mais. 

Confesso que estou exausta. Mas eles deliram com este programas improvisados!! E isso é que vale!
       
             


12 de outubro de 2017

Vicente, António, Sebastião e a escola

As caras dos três são de frete e a fotografia está "imperfeita". Eles só queriam jogar à bola!

Mas a minha cara não mente! Temos finalmente três miúdos felizes na escola! Sem choros e fitas na despedida, dois manos mais novos que agora não se largam e estão mais cúmplices que nunca, e agora há um Sebastião que chega a casa com uma mão cheia de aventuras para contar, todos os dias! Já para não falar da areia que trazem nos sapatos e das nódoas... o melhor sinal que podíamos ter.

Temos a adaptação feita!

E agora sim, está perfeito!!




9 de outubro de 2017

Estamos bem!

E continuamos na nossa roda viva de todos os dias, e aposto que as mães solteiras - para quem levanto sempre as minhas mãos e na condição em que me incluo ultimamente - acharam este fim-de-semana grande demais.

Quando o pai está é diferente e tem outro sabor, mas ainda assim, esforço-me sempre por sair. Eles gostam, os dias correm muito melhor e passam mais depressa se formos apanhar ar. E também nos toleramos muito melhor uns aos outros em céu aberto, depois de muitos dias os quatro e entre paredes. Mesmo que sinta a dureza que é aventurar-me em programas ou noutras lides com três...

O que tenho como certo é que tento gerir prioridades da forma mais justa para os meus miúdos. Muitos dias, mesmo com a casa do avesso, pegamos nas bikes e saímos porta fora, porque ali é o melhor para todos. Noutros dias não dá e resigno-me, e grito, e fico triste... mas no fim de tudo desdramatizo, dou a volta por cima e compenso-os com beijos e abraços e até chupas!! Afinal somos uma família feliz! 

Na base da nossa pirâmide das necessidades ganha a felicidade deles e claro, a minha sanidade mental, sem a qual não consigo chegar a outros parâmetros tão importantes para o bem-estar dos cinco. 

Mas depois realizo, e até não foi pior, e talvez seja deveras exigente e o ache numa tentativa de auto-alento para estes dias. Os avós até deram uma mãozinha e conseguimos um cinema sábado, os dois. E domingo falhei a catequese, mas fomos à missa, almoçamos "fora" cá dentro e o A chegou mais cedo e revezou-me. 

Tem-me sabido bem o tempo que não se vê aqui, viver mais devagar e com outra liberdade, e sem algumas das "interferências" virtuais. Mas também me bate a saudade! De escrever, de registar e de parar para racionalizar a vida. E de partilhar com quem por aqui passa, e que na verdade é quem ouve as minhas preces em primeira mão e me dá a outra. 

Passei para dizer que vamos continuar de mansinho a nossa dança por aqui, e também aqui.



Obrigada por continuarem desse lado!




2 de outubro de 2017

Até já!

A verdade é que não temos conseguido viver devagar como sempre fizemos e desejámos para a nossa família.

Ainda não voltámos a apanhar-lhe o jeito, depois de todas e tantas mudanças (boas e menos boas) que aconteceram na nossa vida no último ano.

Depois vem o meu dedo no click. Sempre quis e fiz por congelar todas as emoções, muitas palavras e até algumas omissões ;) Mas, não de agora, acho que ainda nos fica a sobrar menos tempo e, algumas vezes, escapa-nos a espontaneidade dos miúdos, a do A., que por muito habituado que esteja, não gosta "deste lado", e principalmente a genuinidade dos nossos melhores momentos. 

Tenho andado a remoer nisto há já algum tempo; fazer uma pausa virtual, mas ainda assim, avançar, e muito em nós. Saborear sem "adições" o bom da vida e guardar em nós o melhor.

Ainda temos dias de verão por este outono fora, que nos  fazem irrequietos e com muita vontade de aproveitar tudo e todos! E os cinco!

Confirmo que, depois de re/planearmos as rotinas, continuamos com as manhãs mais pacíficas e que as (minhas) horas de almoço são uma correria e um esforço grande e um grande avanço nas lides domésticas. Queremos ganhar tempo! E até ver estamos a conseguir.

Agora hoje, mesmo depois de um fim de semana intenso e de uma segunda-feira de ressaca não ficámos em casa, saímos de bicicleta pelo bairro e fomos viver devagar!

Não sei se é um adeus, não fico de ânimo leve, mas agora o que me faz o maior sentido é... até já! 


Obrigada a todos o que estiveram desse lado!




28 de setembro de 2017

Fim de semana



Os fins de semana tem sido sempre para eles.
 O tempo tem estado maravilhoso e não conseguimos parar um minuto em casa! :)

Sábado, tivemos um almoço na casa nova de amigos e domingo outro no campo com a família. Eles correram, saltaram e ainda nos pediram um cão!!